Tokushare > Notícia > Análise > Série - Battle Fever J: O Primeiro Super Esquadrão!

Série - Battle Fever J: O Primeiro Super Esquadrão!

Por tuninhochan

Caros, Tokufãs!

Antes de começar minhas aventuras com Battle Fever J confesso que estava com um pé atrás e com um pouco de preconceito devido ao visual dos heróis. Ao iniciar a série porém tive uma grata surpresa e me deparei com uma boa serie. Produzida pela Toei Company em parceria com a Marvel Comics em 1979 e exibida pela TV Asahi, teve 52 episódios. Esta foi a primeira série Super Sentai (terceira da franquia sentai), pois foi a primeira à ter um robô gigante.

           

EGOS é uma seita secreta do mal que tem como seu deus Satan Egos. Eles pretendem dominar e destruir o Japão. O Ministério de Defesa do Japão forma um esquadrão reunindo os melhores lutadores do mundo, liderados pelo general Karuma Tetsuzan, são eles: Masao Den (Japão), Kensaku Shiraishi (União Soviética), Kyousuke Shida (França), Shiro Akebono (Quênia) e Diane Martin (Estados Unidos). Os cinco recebem roupas de batalha e transformam-se assim no Battle Fever J. Inicia-se assim mais uma luta entre o bem e o mal.

Como escrevi no começo da matéria, Battle Fever J é uma boa série. Possui boas cenas de ação, um bom elenco, possui bastante humor, não possui nada de suspense e não tem nenhuma história muito mirabolante. É apenas um grupo querendo causar o caos e outro querendo impedir. Resumindo a série, é um bom divertimento.

                    

Houve duas trocas de personagens principais, um por ter sido assassinado na série e o outro, acredito por não agradar muito. Acredito que tenha sido algo inédito pra época ambos acontecimentos. Diane Martin (Diane Martin mesmo o nome da atriz), a primeira Miss America, quase não participava e quase não aparecia. Era quase um zero à esquerda. Foi substituída no episódio 24, “Lágrimas! A Queda de Diane!” por Maria Nagisa (Naomi Hagi), a segunda Miss America dotada de um belíssimo par de coxas, que imagino que incomodou algumas pessoas com seu short pequeno porque após um tempo ela passa a usar calças. Outro foi Kensaku Shiraishi (Yukio Ito), que fazia um bom personagem e era até importante por ser o segundo no comando depois de Masao Den (Hironori Tanioka). No episódio 33, “Cossack Morre por Amor!”, ele é substituído por Makoto Jin (Daisuke Ban), como o novo Battle Cossack. Eu não curti muito a troca porque Jin era mais velho que o anterior (provavelmente o mais velho dos 5 integrantes do grupo), ele não se enturmava com outros companheiros, estava sempre caladão e eu achava meio ridículo ele andando como um cowboy em plena a cidade, mas na reta final ele passa à ser importante, calculista e a voz da razão no grupo, passando à ter voz ativa tanto quanto o líder, Masao.

              

O general Tetsuzan (Chiyonosuke Azuma) foi um bom personagem porque trazia equilíbrio pra equipe e também ia pro campo de batalha de vez em quando, não se limitando apenas à dar ordens. Um fato curioso na série é que o general Heder, general de EGOS, foi interpretado por dois atores diferentes (Kenji Ushio e Masashi Ishibashi) sem disfarçar muito a diferença entre eles, mas nunca foi explicado o porquê disso. No episódio 19, “A Maior Beleza do Mundo!!”, temos a entrada de Salomé (Maki Ueda) como uma aliada de EGOS. A ironia aqui é que ela entra como “a maior beleza do mundo” e a bichinha é feinha de doer. Vai entender os japoneses...

                       

Mas o grande destaque de Battle Fever J com certeza fica com a dupla: Battle Kenya (Kenji Ohba) e Battle France (Yuuhei Kurachi). Eles são impagáveis e fazem muita confusão. Kenya é guloso e só pensa em comida, já France é muito mulherengo. Quando se juntam trazem muita diversão pra série. Nos primeiros episódios carregaram Ohba com bastante maquiagem para justificar sua “origem” do Quênia e ele até ficou engraçado “moreno”, mas depois de um tempo ele volta ao seu normal. As reações de Kenya também à cada novo monstro gigante também são engraçadas.

O primeiro robô da franquia super sentai me agradou bastante por lembrar um samurai. Ele era bem básico, se compararmos com os robôs atuais, mas era extremamente eficaz. O visual dele me agradou muito.

                                   

Battle Fever J é uma série pra se ver e se divertir, sem preocupações com histórias pesadas, com reviravoltas ou coisas do gênero. Pra quem ainda não assistiu, aqui mesmo no Tokushare nós temos a série completa (http://www.tokushare.com.br/seriadoHistorias/view/27).

Um grande abraço!

tuninhochan
Um eterno fã de Tokusatsus!
Comentários
Ovomaltino - 14/09/2019 01:09:45
Comentando aqui depois de muuuuito tempo. Bom... assisti à esta série complete (Movie incluso), e confesso que ficou um tanto aquém de minhas expectativas. Não achei lá toda essa Coca-Cola não... Enfim, algumas coisas que não me agradaram tanto assim foi a que o "líder" Battle Japan a meu ver não possui o carisma, nem a imponência e nem a veia de liderança que os "reds" normalmente tem para liderarem o esquadrão. Quanto ao segundo Battle Cossack me pareceu mal-aproveitado, além de que eu não curto esse ator (lembrando que ele interpretou o Kikaider uns 6 anos antes de Battle Fever J - e já não gostava desde então). Kenji Ohba até se sai bem como Battle Kenya, mas não só eu achei que ele seria bem mais engraçado na função, como também eu acho que se ao invés dele tivessem chamado o Seiki/Hikaru Kurosaki (ou seja, o "Jaspion") pra interpretar o Battle Kenya ao invés de Ohba ele muito provavelmente teria se saído um tanto melhor e bem mais engraçado; só precisamos lembrar o trabalho que ele fez como "Sexto Ranger interino" em Choudenshi Bioman, e poderão concordar com isto. Já vi chefes mais imponentes do que este Tetsuzan, e os demais membros (Battle France, as duas Miss America e o primeiro Battle Cossack) pra mim "não fedem, nem cheiram". Os vilões não me pareceram nada demais, e de fato a tal da Salome é feinha de doer (pior que há alguns meses eu peguei uma tia que tem aquele mesmo nariz!). De repente eu me acostumei com aquele "tchans" que os Sentais ganharam principalmente no meio dos anos 80 (Changeman em diante, pra ser mais exato), e não tenha conseguido curtir direito esta Battle Fever J por causa disso. Me pareceu mediana, e olhe lá. Aê, tuninho! Tô esperando o tal do review do Jaspion e do Spielvan, que me prometeu! E pra este mês, hehehe!
Denuncia
tuninhochan - 26/01/2015 11:01:51
Caramba, Rodrigo. Realmente cada um tem um gosto mesmo. Gostei bastante de Battle Fever J, não é minha série favorita, mas é um bom divertimento.
Denuncia
rodrigo nobre - 25/01/2015 17:01:10
Sabe aquela série que você sempre quis assistir e quando consegue não é nada daquilo? Foi o que aconteceu comigo quando acompanhei BFJ, resumo ela em começo promissor com histórias chio de mistério lembrando seus antecessores mais que do meio até mais ou menos o episódio 44 fica cansativa de se ver, arrastada os episódios finais são muito bem desenvolvidos, destaco o general Tetsuzan, o Kensaku Shiraishi/Battle Cossack que na minha opinião era o melhor integrante, seu substituto Makoto Jin que mais parecia um sexto integrante com seu modo solitário de agir, o bom desta série foi ver a lenda Kenji Ohba no começo de sua carreira como ator, a série em si não me agradou muito mais merece destaque sim!
Denuncia
tuninhochan - 16/01/2015 09:01:34
Ainda não vi Goranger, tô esperando legendarem por completo. Valeu pela informação! Abração!
Denuncia
chicodiniz - 08/01/2015 23:01:21
A troca de personagens já havia acontecido em Goranger, pois o Kiranger e a Momo são substituídos. Inclusive, numa foto recente, em que quatro aparecem, menos o Aka, é o segundo Kiranger que aparece, pois o primeiro, se suicidou em 79 ou 80, não me lembro a data, pois não lidava bem o showbizz. Boa análise. O Hedda fez o Iron Claw no segundo sentai. E sem mencionar a trilha que tem Mojo e Ichiro Mizuki
Denuncia
tuninhochan - 11/12/2014 14:12:49
Valeu, pessoal! Foi bem divertido mesmo assistir aos Battle Fever J! France e Kenya eram impagáveis! Rsss
Denuncia
lobo wilson - 05/12/2014 20:12:24
serie muito boa eu morria de rir com o kenya e o france principalmente no episodio que o france se disfarçou de toreiro ele parecia uma mulher kkkkkkkkkkkkk outro episodio engraçado foi o do kenya fazendo churrasco de uma planta e deixou a base fedendo e o passaro robo reclamando e brigando com o kenya kkkkkkkkkkkkk
Denuncia
Execute o login para comentar a notícia!